Aqui nada vendemos e nada pedimos. Não somos uma religião, seita, grupo, família ou qualquer forma de segregação.
Aos que buscam alguma liderança, este não é o espaço.
Aqui sugerimos que cada um, através de seu próprio esforço, faça bom uso ou não do que publicamos.
Não conduzimos, não ensinamos, não damos respostas, não acomodamos, não combatemos e não funcionamos no modus operandi deste mundo.
O material publicado é aberto a todos sem qualquer condição, cabe a cada um ter o comando da sua vida e seus atos.


O Silêncio mental permite que você ouça todas as suas respostas.

terça-feira, 10 de abril de 2012

PAI, PERDOA-OS. ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM E O QUE DIZEM



Por que não julgar?

Há incontáveis exemplos no cotidiano desta humanidade que podemos usar para que nunca mais qualquer humano abra a boca para dizer, analisar, justificar ou julgar qualquer coisa, pois, em muitos casos, os aparentes elogios e concordâncias são os piores julgamentos.

E quando qualquer humano julga alguém ou algo, ele julga a ele mesmo e seus atos, mesmo que ele não consiga compreender as associações das consequências.

E aqui vai um simples e claro exemplo bem recente que foi largamente divulgado, comentado e julgado pelos brasileiros:

Mulher mata cão yorkshire em Goías na frente da sua filha

Este exemplo, aqui no MM, não tem a menor importância ou sequer algum apoio ou condenação à atitude da mulher citada.

A mídia, por mais de uma semana, insistiu neste assunto e deu voz aos consternados, aos sôfregos, aos sensibilizados e, principalmente, àqueles que dizem amar incondicionalmente aos animais.

Dá para imaginar quantos milhões de brasileiros que amam e têm animais que ficaram indignados?

Agora, dá para imaginar a quantidade de famílias discutindo este assunto num almoço de domingo?
Dá para imaginar a quantidade de colegas de trabalho comentando, analisando e julgando este fato à mesa na hora de seus respectivos almoços?

Mas difícil mesmo é, se há alguma verdadeira inteligência nesta humanidade, tentar imaginar a quantidade de carne (pedaço de cadáveres de animais) que estava sobre todas as mesas que discutiram este assunto.

Sim, aqueles que dizem que amam os animais e ficaram indignados, adoram comer cadáver de animais. Eles também consomem diariamente muitos derivados de cadáveres animais. Não esquecendo também dos produtos de derivação animal às custas de sofrimentos e maus tratos aos mesmos.

Nem preciso mais exemplos de consumo primitivo e verdadeiramente selvagem. Estes mencionados são suficientes para despir a HIPOCRISIA.

O mais importante aqui é o "NADA JULGAR" seja lá o que for.
E, sobretudo, chamar a atenção sobre qualquer forma de análise, pois qualquer avaliação, é, indiscutivelmente, um julgamento. Inclusive os elogios.

E qual a moral da história deste exemplo da moça que matou o cãozinho? (como se tivesse alguma moral)
A resposta é: A piada mais vergonhosa desta galáxia, pois a moça que, segundo os amorosos aos animais, foi cruel e assassina, e merecia os quintos dos infernos por sua hostilidade, ela, a julgada e condenada, é VEGETARIANA.

Ora ora, a moça matou um cão. (ponto) Mas não o comeu.

E aqueles que amam os animais e adoram um bifinho no prato?
Quem mata mais?
Quem é mais hostil?
Quem é mais assassino? Pois além de matar indiretamente, eles comem as carnes dos respectivos cadáveres.


É ou não é a piada da galáxia?

Quem realmente ama os animais não os têm para satisfazer suas necessidades e demências psicológicas (neste caso me refiro aos domésticos), não incentiva, contribui ou sustenta, direta ou indiretamente esta hipocrisia. Pois ter um animal de estimação é incentivar esse mercado, essa indústria, em todos os sentidos.
E, qualquer justificativa, mesmo que seja a de ter acolhido um abandonado, não é diferente daqueles que amam os animais mas adoram um pedaço de carne (cadáver) no prato.

Constatar e se conscientizar suprime a necessidade de analisar e julgar.
E quanto menos julgamentos, ganhamos mais silêncios, mais harmonias com transcendências muito além do que qualquer cérebro pode alcançar.

Relembrando um recado antigo: “O que vocês fazem ao menor de vocês, é a mim que vocês fazem.” (Jesus)


Citando um recado bem recente: "O conhecimento é, em última análise, uma ignorância do que você É." (BiDi)

Eu sou a mulher que matou, a criança que presenciou, o cão que "morreu", todos os hipócritas que julgaram, os donos de animais que acordaram, Jesus que alertou, Bidi que nos presenteou, você que está lendo e o Anthonio que aqui compartilhou.

Mas ainda lembrando os presentes de Bidi: estou deixando de ser.

Absolute-se ao "não ser".



http://minhamestria.blogspot.com/

2 comentários:

  1. Graças pelo texto Anthonio! E hoje uma amiga minha do Facebook que é colaboradora do PG teve uma vivência pra nós e um pesadelo pra ela.Palavras dela no face:
    - Hoje tive um pesadelo horrível. Corríamos quilômetros e quilômetros, as construções estavam desmoronando, o chão estava rachando então nestas áreas precisávamos ter cuidado para não cair dentro das rachaduras, pessoas morrendo...buáááá e eu correndo tentando me salvar, não podíamos parar, não sabíamos o que estava acontecendo. Eu estava com um grupo de pessoas que eu não conhecia e ajudávamos uns aos outros :( acordei com o peito doendo literalmente.
    (Pronto!! Desabafei! Ufa! rsrs)

    Seu perfil: http://www.facebook.com/meire.ruiz

    Maria IS-IS disse numa canalização que todos iriam viver em sonhos e pressentir que algo está pra acontecer. Está ai mais um exemplo. Abraços!!

    ResponderExcluir
  2. "Absolute-se ao "não ser"". O curioso e irônico, Anthonio, é a nossa mente ficar a cada dia mais afiada, exatamente quando temos de abrir a mão dela. Mas a causa é 'boníssima'... Ela e aquele 'cara'(o tal que começa com um E minúsculo)já vão tarde.

    ResponderExcluir

Fala persona: